Convocados para revisão do auxílio-doença têm até esta segunda para agendar perícia

21/08/2017

Os 55.152 convocados não foram localizados pelo INSS por terem inconsistências no endereço. Se beneficiário não entrar em contato, benefício é bloqueado, mas ele tem mais 60 dias para marcar a perícia.
s beneficiários do auxílio-doença convocados por meio do edital publicado no Diário Oficial da União no dia 1º de agosto têm até esta segunda-feira (21) para entrar em contato com o número de telefone 135 e agendar a perícia médica.
Os 55.152 convocados não foram localizados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) por terem inconsistências no endereço informado.
LEIA TAMBÉM: INSS fará pente-fino em aposentadoria por invalidez; veja como se preparar
O agendamento é obrigatório e deve ser feito exclusivamente pelo telefone. Não é preciso ir até uma agência do INSS para fazer a marcação da perícia. Os beneficiários podem fazer a atualização de endereço também pelo 135.

Se o beneficiário não entrar em contato, o benefício é bloqueado. A partir do bloqueio, ele tem mais 60 dias para marcar a perícia. Com o agendamento dentro do prazo, o benefício é liberado até a realização da perícia. Se passados 60 dias sem que o beneficiário se manifeste, o benefício será cancelado.
Ao todo, 530.191 benefícios de auxílio-doença que há mais de dois anos não passavam por avaliação médica serão revisados.
Até 14 de julho, foram realizadas 199.981 perícias com 159.964 benefícios cancelados. A ausência de convocados levou ao cancelamento de outros 20.304 benefícios. Além disso, 31.863 benefícios foram convertidos em aposentadoria por invalidez, 1.802 em auxílio-acidente, 1.058 em aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% no valor do benefício e 5.294 pessoas foram encaminhadas para reabilitação profissional.

A próxima etapa da operação será chamar os aposentados por invalidez que há mais de dois anos estão sem perícia. Serão convocados 1,005 milhão de aposentados por invalidez, começando pelos mais jovens. Os que têm mais de 60 anos ficam de fora.

O pente-fino nos benefícios por auxílio-doença do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já gerou uma economia de R$ 2,6 bilhões para os cofres públicos, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social.
Fonte: Portal de Notícias  G1